4 de out de 2016

Projeto sobre a mandioca e a cultura baiana ganha edital do Ministério da Ciência e Tecnologia

Foto: Museu

Estabelecer diálogo entre museus, população, órgãos municipais, estaduais e federais, com atividades educativas, cine-debates e exposições que abordem a importância cultural da mandioca. Esse é um dos principais objetivos do projeto ‘Cultura na agricultura: Mandioca entre a tradição e a ciência’, do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural (IPAC). A proposta venceu o edital nº 01/2016 da Secretaria de Ciência e Tecnologia para Inclusão Social (Secis) do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI). O projeto engloba as cidades de Jequié (território de identidade Médio Rio de Contas), Cabaceiras do Paraguaçu (território de identidade Recôncavo) e Salvador. O público será preferencialmente de estudantes da rede estadual de ensino.

“Ficamos contentes por conseguir propor temática que salienta a aproximação entre a tradição e a ciência sobre essa cultura tão presente e importante para a população de várias regiões da Bahia e do país”, ressalta a socióloga do IPAC, Jussara Nascimento, coordenadora da iniciativa. A mandioca, também conhecida em outras regiões brasileiras como aipim ou macaxeira já era cultivada antes da colonização europeia. Segundo dados da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), o Brasil é hoje o quarto produtor do mundo, atrás somente da Nigéria, Tailândia e Indonésia. A sua cultura envolve amplos espectros da vida comunitária, social e econômica de milhões de brasileiros.

PATRIMÔNIO IMATERIAL – “O saber cultural acumulado de tudo que envolve a mandioca desde épocas pré-colombianas até hoje configura-se como um patrimônio imaterial brasileiro”, lembra Jussara. O Nordeste está responsável por 35% da produção e o Norte por 24%. Os estados que mais produzem são Pará (18%), Bahia (17%) e Paraná (15%), seguidos por Rio Grande do Sul (6%) e Amazonas (5%). Porém a maior produtividade concentra-se no Sudeste e Sul, com médias entre 17 e 18 toneladas por hectare, com destinação industrial.

A equipe do projeto reuniu cinco técnicos do IPAC, da Gerência de Patrimônio Imaterial (Geima), Assessoria Técnica (Astec) e Diretoria de Museus (Dimus). Além da coordenadora Jussara Nascimento, participam as antropólogas Nívea Alves e Adriana Cerqueira, a historiadora Milena Rocha, e os museólogos Diogenisa Teixeira e Antônio Varjão (Museu de Jequié). Jussara destaca ainda a participação da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) que cede os especialistas Joselito Motta e Carlos Estevão para palestras e o Instituto de Radiodifusão Educativa da Bahia (Irdeb) que faz cessão do documentário ‘Mandioca Raiz do Brasil’.

SALVADOR e INTERIOR – A programação acontece de 17 a 23 de outubro, sendo gratuita e aberta a todos os interessados. As ações ocorrerão no Centro Cultural Solar Ferrão, no Pelourinho, em Salvador, e no Parque Castro Alves, no município de Cabaceiras do Paraguaçu, ambos equipamentos do IPAC. Além disso, o projeto conta com parceria do Museu da Cidade de Jequié, onde o projeto será realizado com estudantes e professores.

Criado em 1967, o IPAC atua junto com a sociedade, os poderes públicos municipal e federal, na salvaguarda de bens culturais materiais e imateriais. A Bahia detém cerca de 175 imóveis tombados e bens imateriais registrados via IPAC. Conheça os bens protegidos:http://patrimonio.ipac.ba.gov.brAcesse: facebook ‘Ipacba Patrimônio’, twitter ‘@ipac_ba’ e instagram ‘@ipac.patrimonio.

Fotos em Baixa em anexo

Assessoria de Comunicação – IPAC, em 03.10.2016
(71) 3117-6490, 3116-6673, 99110-5099
Jornalista responsável Geraldo Moniz de Aragão (DRT-BA nº 1498)
Coordenação de Jornalismo e Edição: Marco Cerqueira (DRT-BA nº1851)
(71) 98234-9940
Texto-base e entrevistas: Cecília Oliveira (estagiário Jornalismo)
Facebook: Ipacba Patrimônio - Twitter: @ipac_ba – Instagram: @ipac.patrimonio

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente aqui