19 de nov de 2016

Patrimônios imateriais devem ser reavaliados a cada cinco anos



A manifestação popular é um bem imaterial de um povo que preserva a sua cultura e reforça a sua identidade. No entanto, ao contrário dos bens materiais, como as edificações e as obras de arte, o patrimônio imaterial é dinâmico, vivo e está em constante transformação. As modificações do bens intangíveis acontecem naturalmente em função das pessoas que o produzem através de gerações ou por motivos econômico-financeiros, de geografia humana e demais contingenciamentos externos.

“A Lei 8.895/2003 e o decreto estadual 10.039/2006, determinam que os bens culturais imateriais sejam reavaliados a cada cinco anos com nova documentação e análises”, explica o diretor geral do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural (IPAC), João Carlos de Oliveira. A legislação exige essa nova leitura para evitar descaraterização extrema. Vinculado à Secretaria de Cultura (SecultBA), está responsável pela política pública estadual de proteção aos bens culturais baianos. Já o governo federal atua na proteção dos bens culturais de importância nacional, via IPHAN/Ministério da Cultura, e as Prefeituras protegem patrimônios de relevância regional.


SANTA BÁRBARAUm dos Bens Imateriais estudados novamente pelo IPAC é a Festa de Santa Bárbara que acontece há 375 anos em Salvador. “Já acompanhamos e registramos outra vez a festa no ano passado (2015). Neste ano (2016), técnicos farão entrevistas com pessoas e entidades envolvidas”, afirma o diretor de Preservação (Dipat) do IPAC, Roberto Pellegrino. A festa acontece no próximo dia 4 de dezembro, no Pelourinho.

Para a nova avaliação do IPAC, serão procurados integrantes da Irmandade do Rosário dos Pretos, Mercado de Santa Bárbara, Igreja da Liberdade, Companhia dos Bombeiros e Centro de Culturas Populares e Identitárias (CCPI). Dos bens imateriais o IPAC já pesquisou e registrou as festas de Santa Bárbara (Salvador), Boa Morte (Cachoeira) e Bembé do Mercado (Santo Amaro). Os ofícios da Baiana de Acarajé e do Vaqueiro também foram pesquisados e protegidos, além dos Desfiles de Afoxés, todos registrados como bens imateriais da Bahia.

LIVROS“Depois que a pesquisa é realizada, nós elaboramos o relatório para anexar ao processo anterior de registro. A previsão é que a gente acabe no primeiro semestre de 2017”, diz a gerente de Patrimônio Imaterial do IPAC, Nívea Alves. Com base nos dossiês que possibilitam a proteção dos patrimônios, o IPAC também produz livros que podem ser acessados aqui: http://goo.gl/u22K2Y.

Da Festa de Santa Bárbara, além de dossiê e reavaliação, o IPAC fez reparação predial e pintura na Igreja do Rosário que hoje sedia a imagem da santa e cuja irmandade promove a festa. O Mercado de Santa Bárbara, na Baixa dos Sapateiros, também foi beneficiado com pintura pelo IPAC. Na igreja, a irmandade cedeu material e o IPAC executou os reparos. Já a montagem de palco, produção, camisetas e caruru da festa são apoiados pela CCPI. Mais informações sobre as ações do IPAC via site www.ipac.ba.gov.br, facebook Ipacba Patrimônio, twitter @ipac_ba e instagram @ipac.patrimonio.

Fotógrafo: Carol Garcia/GOV BA
Crédito Fotográfico obrigatório - Lei nº 9610/98: IPAC/Lázaro Meneses, Elias Mascarenhas, Berg Ângelo e Jefferson Vieira

Assessoria de Comunicação – IPAC
Jornalista responsável Geraldo Moniz (DRT-BA nº 1498)
Coordenação de Jornalismo e Edição: Marco Cerqueira (DRT-BA nº1851)
Texto-base: Milena Hildete (estagiária de jornalismo)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente aqui