9 de nov de 2016

Quixote



Por quais terras venerandas
Caminha a tua Cruz de Malta?
.
O mundo, de ora e avante,
Cavalga, mas sem destino.
.
Sem teu bravo Rocinante
Sem teu prumo, sem teu tino.
.
Desleais, os escudeiros
Já não lembram Sancho Pança
.
Sem nem mais, são os primeiros
A cravar-nos a sua lança.
.
Os reinos da redondeza
Já não têm honra nem brio
.
São muralhas de avareza
Em busca do ouro vadio
.
O povo já não mais sente
Esperança ao coração
.
Já não é mais inocente
Ferve de usura e ambição.
.
Que falta faz tua bravura
Nos tempos de agora e então
.
Hoje a máxima loucura
É o que chamam Sã Razão
.
É a busca desenfreada
Pelo metal passageiro
.
Deixando a alma pesada
e suja como um poleiro
.
Moinhos eram Dragões
Em tua jornada e contenda
.
Hoje, os monstros, aos milhões
Fazem, do mundo, uma Moenda
.
Trituram toda bondade
Todo encanto, todo amor
.
Já sem sonho, a Realidade
Hoje, é um conto de horror
.
Devolve tua Chama ao Mundo:
Eu quero vê-lo aquecer
.
Que, à Luz do Ideal Profundo,
Eu o espero enlouquecer!
.
Thiago El-Chami


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente aqui