21 de dez de 2016

MAM/Bahia mantém quatro exposições simultâneas até 20 de fevereiro


O Museu de Arte Moderna da Bahia (MAM-BA) está com quatro exposições simultâneas neste verão que se iniciou oficialmente neste dia 21 de dezembro. A mostra ‘Só Cabeças’ está no casarão até 20 de fevereiro. Já a capela do século XVIII, hoje espaço expositivo, está com a elogiada exposição ‘Hiperfotos-Salvador’ até 29 de janeiro, enquanto a Galeria 3 apresenta ‘Tertúlias Visuais’ com o resultado das Oficinas do museu. Por fim, o ‘Acervo do MAM-BA em Memórias Bordadas’ aberta na Galeria Subsolo até 8 de janeiro. O MAM fica na Avenida Contorno, s/nº.

A visitação acontece de terça a domingo, das 13h às 18h, e entrada gratuita. Visitas dirigidas são pré-agendadas. Informações via telefones (71) 3116-877 e 3116-8007. Especialmente neste final de ano, em função das festas, o MAM fecha nos dois finais de semana (23 e 24, 30 e 31). Nos dias 28, 29 e 30, o horário de visitas muda de 10h às 15h, em função dos shows de Réveillon que acontecem no Comércio.

“O MAM é um dos principais pontos de visitação em Salvador; além da peculiaridade arquitetônico-histórica dos séculos XVI, XVII, XVIII e XIX, esse importante centro cultural mantém agora exposições constantes e gratuitas abertas a estudantes, pesquisadores e ao público em geral”, afirma o diretor geral do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (IPAC), João Carlos de Oliveira. O museu mantém ainda atividades sócioeducativas e grandes eventos como a JAM no MAM que tem apoio do governo estadual. Os principais museus baianos, como o MAM, Palacete das Artes, Museu de Arte (MAB), Solar Ferrão e outros, são administrados pelo IPAC.

 
PATRIMÔNIO do BRASIL O diretor geral do IPAC, João Carlos de Oliveira, explica que o MAM tem projeto original da ítalo-brasileira Lina Bo (1914-1992) instalado no complexo arquitetônico que tem conformação de uma ‘quinta portuguesa’ do século XVII. “Este conjunto urbano é reconhecido oficialmente pelo IPHAN como Patrimônio Cultural do Brasil desde 1943”, relata o gestor estadual. Segundo ele, com as obras da Avenida Contorno, iniciadas em 1960 sob coordenação do arquiteto modernista baiano Diógenes Rebouças, o Unhão poderia ser destruído.

“Rebouças conseguiu mudar o projeto para não danificar o Forte de São Paulo (século XVIII e tombado em 1938) e o Unhão, e Lina Bo atuou junto ao governo da época para salvar o complexo e reformá-lo como museu”, conta João Carlos. Na nova reforma, o IPAC tenta resgatar o projeto original de Lina para o MAM. Composto por capela, casarão, salões expositivos, pátios, café, reserva técnica e áreas verdes, o MAM possui 5.455 m² de área construída e 10.047 m² de área total.

INTERNACIONAL Como é ponto turístico de visitação internacional, o MAM é um dos locais mais procurados para registros de vídeo, filmagens e fotos. “É um espaço de uso público que recebe mais de 200 solicitações para gravações de TV e produções fotográficas a cada ano; assim como outros museus e espaços do Instituto em Salvador”, afirma o assessor de Comunicação do IPAC, Geraldo Moniz. Ele ressalta que o IPAC, com 50 anos de criado, detém capacitação técnica para avaliar gravações que ocorram nos seus prédios.

Confira as exposições e atividades no facebook: ‘Museu de Arte Moderna da Bahia’. Conheça os museu do IPAC: www.ipac.ba.gov.br/museus. Assista vídeo: http://goo.gl/Hjxtkc. Acesse: www.ipac.ba.gov.br, facebook ‘Ipacba Patrimônio’, twitter ‘@ipac_ba’ e instagram ‘@ipac.patrimonio’.

 Box opcional 1 – HISTÓRIA MAM/UNHÃO – O conjunto do Unhão foi construído ao longo de três séculos (XVII, XVIII e XIX). Embora situado praticamente dentro da cidade, esse conjunto era um complexo agroindustrial do mesmo gênero dos engenhos de açúcar, com casa grande, capela e senzala. Seu extenso cais e armazéns fazem supor que sua função fosse a de recolher e exportar a produção de engenhos do Recôncavo. O inventário do Visconde da Torre de Garcia D'Ávila refere-se a um grande alambique ainda funcionando em 1853, provavelmente com o mel enviado do Recôncavo. Até aquela época o solar só possuía dois pavimentos e "água furtada em ambas as frentes com três janelas e duas nos lados laterais". Sua distribuição funcional segue o esquema vigente em todo o período colonial: térreo, utilizado como serviço; 1º andar, ocupado pela família; água furtada, utilizada como dormitório de criados. A planta da capela (1794) é típica das igrejas matrizes e de irmandade do começo do século XVIII, apresentando, porém, uma particularidade: nave e capela-mor da mesma largura e altura. Sua fachada rococó tardio deve ser do século XIX. Terminações das torres inspiradas nas coberturas à Mansard, semelhante às das igrejas de N. S. do Pilar e Convento do Carmo. (FONTE: Inventário de Proteção do Acervo Cultural da Bahia – IPAC).

CRONOLOGIA
1584 - Gabriel Soares de Souza doa, por testamento, aos Beneditinos, o terreno em que se encontra a fonte que perpetuou o seu nome;
1690 - Residia aí o desembargador Pedro de Unhão Castelo Branco.
Em princípios de 1700 foi comprado por José Pires de Carvalho e Albuquerque, o velho, que estabeleceu morgado;
1740 - 1ª referência à capela - batizado de uma neta do proprietário;
1757 - O Pe. Manuel de Lima (da Vitória) descreve a capela com fachada para o poente;
1759 - Salvador Pires de Carvalho e Albuquerque sucede o pai (José) na posse do morgado. Passa a seguir, a seu filho José Pires de Carvalho Albuquerque (o II), e deste para o sobrinho e genro, de igual nome, Secretário de Estado, a quem Vilhena se refere;
1787 - Vistoria da Câmara a uma vala que deveria lançar suas águas no aqueduto que atravessava a fazenda Unhão;
1794 - A igreja é reedificada. No começo do séc. XIX, a propriedade pertencia a Antônio Joaquim Pires de Carvalho e Albuquerque, Visconde da T. de Garcia D'Ávila;
1816 - O suíço Meuron instala fábrica de rapé, que funciona até 1926;
1853 - Morto o Visconde, passa à sua filha casada com Antônio Muniz Barreto de Aragão;
1880 - Ainda se rezava missa na capela;
1917 - É vendida a Clemente Pinto de Oliveira Mendes;
1928 - Passa a Valeriano Porfiro de Souza, que a transformou no trapiche Sta. Luzia. Seus descendentes venderiam depois para o Estado.    
Restaurações e intervenções realizadas:
1946 - Obras de estabilização, conservação e limpeza;
1959 - O Governo do Estado decide construir a Avenida de Contorno, ligando os bairros do Comércio e Barra. O IPHAN promove vistoria no local e adverte sobre os perigos para o conjunto;
1960 - São iniciadas as obras da Avenida do Contorno, cujo projeto previa uma das pistas passando entre o solar e a capela e a outra destruindo o aqueduto e fonte, o que provoca reação da imprensa. Arq. Diógenes Rebouças propõe um traçado alternativo da avenida, ligando o Comércio ao Vale do Canela, que não interferia no solar;
1962/63 - O conjunto é restaurado pelo Gov. do Estado, para sede do M. de Arte Popular da Bahia, sendo o projeto elaborado pela arq. Lina Bo Bardi e aprovado pelo IPHAN. Nesta oportunidade, foi criada escada helicoidal de ligação do 1º com o 2º andar, obra de notável desenho contemporâneo. Na igreja e em alguns pavilhões foi substituído o reboco por "chapiscado", então em voga, por influência do Brutalismo.

Crédito obrigatório Fotos anexas - Lei nº 9610/98:

Assessoria de Comunicação – IPAC
Jornalista responsável Geraldo Aragão (DRT-BA nº 1498)

Coordenação de Jornalismo e Edição: Marco Cerqueira (DRT-BA nº1851)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente aqui