7 de mar de 2017

Tudo vira poesia Na boca do sertanejo.

Xilogravura “Os Violeiros” de Nena Borges. Disponível em:www.luizberto.com

Mote: Ari Pinheiro
Glosa: Nivaldo CruzCredo

A flor do mandacaru,
O caldeirão no lagêdo,
A folha verde do bredo,
Os olhos do cururu,
O belo porte do Cumaru,
Chovendo bem é que vejo
Essa beleza e trovejo,
Que só nos dá alegria,
“Tudo vira poesia
Na boca do sertanejo.”

A sombra da Jitirana,
O leite bom da cabrinha,
O gosto da boa farinha,
A madeira da Canjirana,
Até a seca tirana
Tudo vem de lampejo
Na lembrança que revejo
As coisas que eu vivia,
“Tudo vira poesia
Na boca do sertanejo.”

Até a picada da abelha,
Queimada de cansanção,
Pé furado e arranhão,
A goteira lá da telha,
Cipoada na orelha,
Leite, coalhada e queijo,
Lá no mato aquele beijo,
Essa saudade me arrepia,
“Tudo vira poesia
Na boca do sertanejo.”

E lá na casa de farinha,
A raspagem da mandioca,
O soro e a tapioca,
As cascas são da galinha,
E tinha goma fresquinha,
O beijú que era desejo,
Namoro escondido e beijo
Era só festa nesse dia!
“Tudo vira poesia
Na boca do sertanejo.”






Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente aqui